this is an h1

this is an h2

Planejamento | DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL
Planejamento do agronegócio, alimentos e bebidas de SC em Chapecó

Sebrae/SC promove nesta semana Encontro Estadual de Gestores

· 05/07/2024 · Atualizado em 05/07/2024
FAVORITAR
Botão favoritar

Capacitar os profissionais para que possam estruturar bons projetos, que subsidiem de informações e indicadores para avaliar o desempenho dos negócios atendidos. Com esse objetivo o Sebrae/SC promove nesta semana o Encontro Estadual de Gestores do Agronegócio e Alimentos e Bebidas, no Centro de Inovação ACATE Deatec/Centro Executivo E.T. Renovável, em Chapecó. O evento reúne aproximadamente 30 participantes, entre diretores, gestores de projetos e analistas de negócios.

(Foto: Karina Ogliari/MB Comunicação)

(Foto: Karina Ogliari/MB Comunicação)

Durante três dias a ênfase é planejar, a partir da compreensão do contexto dos setores, do desenvolvimento e da gestão de projetos e na proposição de novas ações. A programação desta terça-feira (2) contemplou apresentação do panorama e das tendências do agronegócio interligadas com a cadeia de valor da alimentação e bebidas de Santa Catarina, análise das principais cadeias produtivas do Estado e visita em atrativos turísticos da Rota da Ovelha, em Lajeado Grande (Regalos do Interior, Lazaretti Produtos Coloniais e Casa Bianchi).

(Foto: Karina Ogliari/MB Comunicação)

RELEVÂNCIA DO SETOR

Para o vice-presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/SC, Antônio Marcos Pagani de Souza, Santa Catarina é um estado pequeno em área territorial, porém muito organizado no agronegócio. “Temos muito orgulho desse setor, principalmente, da região oeste catarinense que conta com pequenas propriedades muito produtivas, sem dúvida temos aqui um exemplo nacional de produção de alimentos”, enfatiza ao explicar a proposta do Encontro em identificar as necessidades de cada região para avançar em projetos que incentivem o desenvolvimento.

(Foto: Karina Ogliari/MB Comunicação)

Como exemplo de ação que impulsiona o agro catarinense, o vice-presidente citou o Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), executado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC), desde 2016, que conta com a parceria do Sebrae em duas cadeias produtivas. “No melhoramento genético da pecuária de corte ocorreu uma verdadeira transformação, com um salto de qualidade importante. Na ovinocultura de corte, os empreendedores trabalham com uma paixão e a intenção de aprimorar a gestão na propriedade é para que possam ampliar a receita, desenvolver e crescer na atividade”. Por fim, o vice-presidente enaltece que o “agro não é só uma paixão, mas responsável por manter a balança comercial”.

De acordo com o secretário de Estado da Agricultura e Pecuária, Valdir Colatto, a capacitação em Chapecó contribui para o planejamento de uma nova etapa da ovinocaprinocultura catarinense. “A Secretaria da Agricultura está à frente disso, quando criou a Câmara Setorial da Ovinocaprinocultura para realmente organizar o setor, que conta com apoio de várias entidades, mas que ainda não tem um projeto em conjunto para implementarmos no Estado, como é com a cadeia de suínos e aves”, afirma.

COMPETITIVIDADE

O diretor técnico do Sebrae/SC, Fábio Búrigo Zanuzzi, explica que no início deste ano foi realizado um diagnóstico para verificar a atuação da entidade em todo o território catarinense. “Percebemos que muitos projetos setoriais estavam sendo implementados via atendimento individual. A partir disso, propomos a criação da Gerência de Competitividade Setorial, que é responsável por fazer o planejamento desses projetos. Porque temos um grande número de ações individuais, porém precisamos estruturá-las de maneira mais adequada”, complementa.


(Foto: Karina Ogliari/MB Comunicação)

Zanuzzi afirma que a intenção é conhecer as vocações dos territórios para, posteriormente, estudar, planejar e desenvolver um projeto setorial. “Por exemplo, confecção tem empresas em todas regiões, então, podemos ter um projeto estadual com núcleos de ações nas regionais. Atualmente, nesse setor são mais de 110 mil CNPJs, porém cada território tem uma particularidade. No Sul é o jeans, no Vale do Itajaí é moda e no Extremo-Oeste o uniforme”. Com a estruturação desses projetos será possível ampliar a visibilidade das ações e de seus resultados, além de ampliar os segmentos atendidos para beneficiar um maior número de micro e pequenas empresas em Santa Catarina.

De acordo com o gerente de competitividade do Sebrae/SC, Roberto Tavares, o objetivo é equilibrar os números de atendimento – em 2023, foram mais de 300 mil –, os esforços na resolução das demandas e os resultados para as empresas (faturamento, produtividade e competitividade). “Para isso, precisamos reorganizar nossos projetos setoriais, com o atendimento coletivo de determinados segmentos com trabalho de médio e longo prazo. Para medir a performance dos pequenos negócios, com melhoria do processo produtivo, acesso a novos mercados, participação de feiras e sessões de negócios”, enfatiza. A atuação da Gerência de Competitividade é dividida em núcleos de setor econômico: indústria; comércio e serviços e agronegócio.

(Foto: Karina Ogliari/MB Comunicação)

Acompanhe mais notícias do Sebrae/SC na Agência Sebrae de Notícias e nas redes sociais: Instagram Facebook LinkedIn Twitter Telegram YouTube Blog Site.   


O conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado!

Foi um prazer te ajudar :)

FAVORITAR
Botão favoritar
Precisa de ajuda?

Nós temos especialistas prontos para atender você e o seu negócio de forma online e gratuita.

Acesse agora

Posso ajudar?