this is an h1

this is an h2

Fri Aug 05 08:41:39 BRT 2022
Mercado e Vendas | PREÇO
Aumente seus lucros com a precificação correta da mão de obra

Na construção civil, ao dominar as diferentes formas de avaliar custos da mão de obra, você economiza e entrega serviços de melhor qualidade.

· 21/07/2022 · Atualizado em 05/08/2022
Imagem de destaque do artigo

Não existe produto ou serviço de qualidade sem mão de obra qualificada. E encontrar o balanço ideal entre os melhores profissionais a um custo que compense para a empresa é um dos maiores desafios dos empreendedores da construção civil. Afinal, para calcular o valor de uma obra, é necessário avaliar muitos fatores, como materiais destinados à estruturação do local, construção, acabamento e, claro, o trabalho dos profissionais envolvidos. Além disso, a qualidade de tijolos, telhas, seixo, areia, cimento e outros é vital para um bom resultado. Assim, é preciso investir em bons materiais e em mão de obra capaz de utilizá-los corretamente.

Como precificar

Mas quanto vale uma mão de obra eficiente? Primeiramente, é preciso estabelecer de que maneira o trabalho será cobrado: por dia trabalhado, por m² produzido ou por um valor fixo pela finalização. Independentemente da forma escolhida, tudo deve ser definido por meio de contrato antes do início do serviço.

Se os custos da mão de obra forem cobrados por dia trabalhado, a diária pode variar entre R$ 100 e R$ 200, podendo ter reajuste de até R$ 20. Já o valor padrão para os custos com a mão de obra por m² pode variar entre R$ 900 e R$ 1.400, podendo ter reajuste de cerca de R$ 100. Por fim, se o trabalho for avaliado como um todo, sendo combinado um valor total desde o início da obra, tudo deve ser avaliado minuciosamente, inclusive levando em consideração possíveis imprevistos. Normalmente, cobra-se um percentual sobre o valor total da obra. Se o custo ficar no valor de R$ 100 mil, por exemplo, e for acordado com o mestre de obras que ele receberá 20% em cima desse valor, a mão de obra fica avaliada em R$ 20 mil.

Outro fator que deve ser considerado é a instabilidade do mercado diante das crises vigentes. Dessa forma, independentemente de ser contratado um profissional autônomo ou uma construtora, é necessário discutir previamente se há possibilidade de reajustes no decorrer do ano e da obra em si.

Custo Unitário Básico de Construção

A grande lição é que, como qualquer serviço a ser realizado, um planejamento inicial é fundamental. Lembre-se de atentar para todos os materiais e tipos de mão de obra que serão necessários para a realização da obra. Mesmo para os menores trabalhos poderá ser preciso contratar profissionais de diversas áreas, como engenheiros, pedreiros e serventes, além de serviços adicionais, como carpintaria, pintura, entre outros.

Outra ferramenta que ajuda nesse processo é o Custo Unitário Básico (CUB), um padrão calculado mensalmente pelos sindicatos da indústria e da construção civil, que considera leis trabalhistas e demais exigências do setor. A Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) criou um site que reúne todo o material para você utilizar o CUB. Acesse aqui.

E, para saber mais sobre o tema, você encontra muito conteúdo no Portal do Sebrae, como o artigo “Qualificação de mão de obra: entenda a sua importância para a empresa”, que explica como o investimento em seleção criteriosa e no desenvolvimento dos funcionários pode gerar excelentes retornos para a sua empresa.

Saiba mais


O conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado!

Foi um prazer te ajudar :)

Precisa de ajuda?

Nós temos especialistas prontos para atender você e o seu negócio de forma online e gratuita.

Acesse agora