this is an h1

this is an h2

Empreendedorismo

Mulher tem força para empreender?

Não só tem como também transforma seu negócio de produtos naturais em agroindústria.

Mulher tem força para empreender?
· 09/02/2023 · Atualizado em 08/03/2023
FAVORITAR
f6fe2f29c7636810VgnVCM1000001b00320aRCRD

A empresária Hortência Osaqui precisou de determinação e criatividade para dar continuidade ao projeto de agrofloresta desenvolvido por seu pai durante 40 anos e conseguir gerar renda a partir da produção do bacuri. Não tão consumida em outros lugares, a fruta é uma das mais populares da região amazônica.

Hortência iniciou a sua vida profissional na área de mineração, atuando como engenheira florestal ao longo de muitos anos em uma grande empresa do setor. Mas, determinada a dar continuidade ao trabalho feito pelo pai na zona rural de Augusto Corrêa, no Pará, ela decidiu voltar à fazenda da família e investir na produção rentável do bacuri.

Empreendedorismo e sustentabilidade

Após algumas tentativas frustradas de vender a fruta in natura para os comerciantes locais, Osaqui fez as suas próprias pesquisas de mercado e percebeu que precisava achar uma nova maneira de ter lucro com a fruta.

Foi então que buscou a ajuda do Sebrae para descobrir como agregar valor à produção. Após consultorias, a empresária aprendeu sobre industrialização de produtos agrícolas e deu início ao seu empreendimento. “Ajudou muito nessa questão de verticalizar o negócio, a ter esse entendimento da agroindústria. Também me ajudaram na parte de orientação da legislação, de legalização da produção.”

Hoje, além da venda de geleias, licores e frutas secas, o negócio também tem uma frente turística. A Fazenda Bacuri lançou, em 2015, a chamado Bacuri Experience, ideia que combina o turismo com a produção. “Você vem para a fazenda, contempla o que temos, mas de forma diferente do tradicional. A gente
fala da importância da cadeia produtiva e de como uma pequena família na Amazônia trabalha de forma sustentável.”

Consolidando o empreendimento
A empresária destaca que, além do fortalecimento da marca, a parceria com o Sebrae foi importante para a divulgação eficaz do produto, que é fruto da biodiversidade e da agricultura familiar. Desse modo, a promoção do negócio ajuda não só nas vendas, como também na valorização da região e de seu modelo de desenvolvimento econômico.

Hortência destaca que a parceria com o Sebrae não foi interrompida durante a pandemia e fez a diferença no desenvolvimento da empresa. “Começamos a receber treinamentos voltados para venda, para as mídias sociais, recebemos apoio para treinamentos, para portfólio, catálogos, marcas. O Sebrae foi fundamental.”

Para o futuro, a empresária está empenhada em mudar a visão das pessoas sobre a agroindústria. Para isso, deseja dar ênfase às características representativas da zona rural, como a sustentabilidade e o desenvolvimento local, para atrair clientes interessados em alimentos saudáveis.

"O Sebrae ajudou muito nessa questão de verticalizar o negócio, a ter esse entendimento da agroindústria. Também me ajudaram na parte de orientação da legislação de legalização da produção."


O conteúdo foi útil pra você? Sim Não
Obrigado!

Foi um prazer te ajudar :)

FAVORITAR
f6fe2f29c7636810VgnVCM1000001b00320aRCRD

Mais casos para você explorar